2008-08-27

O plasma que destruiu uma civilização

Sendo eu um pacifista podem parecer-vos estranhas as linhas que vou escrever.

Para enfrentar a crise económica precisamos de uma guerra com urgência.
Acho mesmo que não há volta a dar. Precisamos de mortos, pedaços de corpos espalhados pela rua, insegurança, medo, famílias destruídas, cidades arrasadas, estruturas de saneamento básico, electricidade e água devastadas, metade das pessoas que conhecemos enterrada e a outra metade em vias disso.

Por todo o mundo o ser humano se queixa da crise justamente quando chegámos à época em que:
  • Pagamos uma mensalidade no ginásio para perdermos aquilo que comemos a mais.
  • Pagamos para ter comprimidos que nos ajudem a perder aquilo comemos a mais.
  • Pagamos para ter comprimidos para nos livrarem da tristeza que é viver sozinho, atrás de um computador ou de uma personalidade intolerante que à mínima contrariedade "despede" uma pessoa da sua vida.
  • Pagamos para ir ao cinema ver a vida maravilhosa de outras pessoas, as que têm coragem para mudar o mundo e que, depois de desligadas as câmaras, vão tomar antidepressivos para o camarim.
  • Pagamos para ter sexo.
  • Pagamos para ter medicina que nos livre das doenças que contraímos a trabalhar 10 horas por dia.
  • Pagamos para que alguém tome conta daqueles que amanhã vão ser "uns mal agradecidos" porque trabalhámos para lhes dar tudo (materialmente) o que têm.
  • Pagamos a mensalidade de um carro que em vez de trabalhar para nós pôs-nos a fazer o contrário.
  • Pagamos para sermos bonitos, atraentes, para conseguir sacar um bom companheiro(a) porque não somos suficientemente interessantes para o fazer de outra maneira.
  • Pagamos por cultura para nos tornarmos interessantes, para podermos beber aquilo que os outros tiveram coragem de experimentar ao vivo e a cores.
  • Pagamos por um telemóvel que tenha câmara de 30 mega pichas, porque é muito importante tirar fotos de todo e qualquer cagalhão que encontremos na rua.
  • Pagamos a prestações um plasma (que geralmente é um LCD mas "plasma" dá uma erecção maior) porque o que precisamos mesmo é de ter cinema em casa, independentemente do número de cáries que possa ter a boca do puto.
Há outra hipótese?
Quando digo que precisamos de uma guerra, não me refiro a brincadeiras como no Iraque. Refiro-me a uma terceira guerra mundial. Uma guerra onde não se lute por interesses económicos mas sim por pura sobrevivência.
Uma guerra onde Cristiano Ronaldo terá que vender os brincos para comprar meia carcaça.
Uma guerra onde de nada valerá um iate porque não dará para trocar por comida.
Uma guerra em que o Major Valentim Loureiro fique com merda a escorrer pelas pernas só de ouvir um morteiro.
Uma guerra onde o preço da gasolina vai deixar de ser importante simplesmente porque não sabemos dos nossos amigos há meses.
Uma guerra em que seja tolerável comer a Lili Caneças porque os talhos estão vazios.
Uma guerra em que se consiga uma carnificina apenas por lançar um saco de pão para o meio de 1000 pessoas esfomeadas.
Uma guerra em que o Manuel Luís Goucha seja forçado a vender o seu guarda roupa apaneleirado para o fabrico de tendas.

Crise económica? Será que a classe média não se apercebe que não é o governo mas sim o mundo que está a atingir a saturação por excesso de arrogância (a da própria classe média)?

Acredito que haja muita gente a passar genuínas dificuldades mas acho que é quase pornográfico que um gajo com um plasma em casa se queixe por tudo e por nada.
Um dia hás-de barrá-lo com manteiga e vais enterrá-lo no cu (porque não o podes comer de outra maneira).

BAIXA A BITOLA MEU COIRÃO CHUNGA! Tu não tens direito a viver só porque respiras!
Vê lá se te faz mal à mioleira ver o Benfica a perder num ecrã de 55 centímetros.

20 comentários:

  1. Mais que apoiado! ;D Agora é só escolher o sítio para deitar a primeira bomba. Que tal a Suíça? Já mete nojo a neutralidade deles.

    ResponderEliminar
  2. Bem... Estamos a falar a sério...

    (Medo)

    O que mais me custa são os lamentos constantes, as queixinhas as depressões e tristezas por coisas que não têm importância nenhuma. Não é á toa que os povos mais felizes são os que não têm quase nada. Sem "distracções" (os LCDs, Manolos, Hiphones), sabem valorizar o que é importante.

    Mas isso parte de cada um. Parte de ti. De saberes rodear-te das pessoas certas.

    Quanto à guerra, não concordo. Essas coisas esquecem-se facilmente. Já tivemos várias e foi tudo dar ao mesmo ou pior. Radical seria uma afirmação silenciosa. Um esforço individual, contínuo e crescente. Não podes mudar o mundo mas se mudares dois ou três já é um feito.

    Piston... Spirits up!

    ResponderEliminar
  3. Marta, onde causar a maior devastação possível. Eu colocava-a numa central nuclear.

    Alexandra, então precisamos de uma crise a sério, daquelas que dão direito a muita fome. Acho que ninguém deveria passar pela vidinha sem sentir fome, daquela valente.

    ResponderEliminar
  4. O mês de Agosto é lixado... eu acho que a primeira bomba devia ir para o Liechtenstein... são tão insignificantes que lhes fazíamos um favor =)

    ResponderEliminar
  5. Ana, o tipo de engenho que seria necessário para pôr em marcha o meu plano não cabe em tão pequena área.

    ResponderEliminar
  6. Bolas!Bolas!Bolas! O Piston acordou com os pés de fora!

    ResponderEliminar
  7. Qual é a diferença entre um plasma e um LCD? Eu não sei estas coisas...

    ResponderEliminar
  8. Maria, nada disso. A ideia anda a amadurecer há algum tempo.

    Jaime, http://www.cnet.com.au/tvs/0,239035250,240036500,00.htm
    Basicamente o nome plasma é mais cool (e nós sabemos que esta gente tem muita necessidade de ser cool).

    ResponderEliminar
  9. Para os teus intentos, talvez o sub-continente indiano, Piston!

    ResponderEliminar
  10. A brincar, a brincar, vai dizendo umas verdades... assustadoras!

    ResponderEliminar
  11. Ana, fazer um show à Ucrania: largar a bombas em vários paióis militares e apontar o dedo aos portugueses.

    Carlos de Oliveira, deixe-me que lhe diga, respeitavelmente, que se fizer uma pesquisa no meu blog por "jonalista", não vai ler nada de bom em relação aos seus colegas. Espero francamente que o senhor faça parte dos outros 10%.
    Obrigado pelo comentário.

    ResponderEliminar
  12. R.B.M., pensava eu que andava a passar mensagens nobres...

    ResponderEliminar
  13. E andas, sim senhor. Repara que eu disse "particularmente", também gostei de tudo o resto

    ResponderEliminar
  14. Gostei do post. Ainda mais difícil perceber como este pessoal se queixa da crise, dos salários e blá blá blá e continua a encher o cu destes clubes portugueses com as cotas que pagam todos os meses, com o preço exorbitante dos bilhetes enfim...! Para depois esses camelos andarem aí na boa vida com altos carrões e a rirem-se na nossa cara! Piston essa do Valentim não te podia ter saído melhor! lol

    ResponderEliminar
  15. R.B.M., isso é coisa para me fazer dormir mais descansado.

    Pat, atenção! Valentim mesmo quando se borra de medo, borra-se com autoritarismo.

    ResponderEliminar
  16. Deixe-me que lhe diga... grande texto. As verdades são dolorosas... mas têm de ser ditas!

    ResponderEliminar
  17. Cati, deixe-me que lhe diga: o que dói é levar uma estocada do maxilar de Teresa Guilherme.

    ResponderEliminar