2012-09-08

Que se lixe a Troika?

Olá portugueses!
Tudo bem?

Vocês são estúpidos comó caralho, não são?
Então no dia 15 vai haver uma manifestação, com um nome que deve ter sido criado por alguém que bebe desentupidor de canos, com o objectivo de protestar contra mais uma talhada nos salários, e decidem concentrar-se na Praça José Fontana? Porque não Faro ou Sarajevo? Não vos ocorre uma localização mais remota e distante da Assembleia da República e Palácio de São Bento?

Quem é que acha que estas brincadeiras têm algum efeito?
Quem é que acha que o governo vai mudar alguma coisa só porque aparece muita gente a gritar nas reportagens no Sábado à noite?
Faz-me comichão a falta de eficácia.
O que é que fazem os desempregados com o seu tempo? Quando não estão a procurar emprego (ou a falsificar declarações que o comprovem) porque é que não estão à porta da Assembleia para lembrar os deputados que há muita gente com dificuldades? Porque é que não mantêm a pressão? Porque é que não fazem com que aquela gente tema o retorno dos autos-de-fé?

Sou completamente anti-violência mas sou pro-intimidação. Se o diálogo não surte qualquer efeito há que tentar outras medidas (que não passam por andar à porrada com a polícia, que também ganha uma merda e está apenas a cumprir ordens).

Portugal declarou-se como país do 3º mundo quando permitiu que o número dois do governo, o tio Relvas, se mantivesse em funções depois de ter sido apanhado a mentir várias vezes em enredos de relativa gravidade. Se os portugueses permitiram isto (que me parece bem mais grave que qualquer assalto ao bolso) certamente vão permitir tudo o resto com mais ou menos barulho.

Espero que no meio disto tudo não se esqueçam do nosso querido e senil presidente. Ele está descansado em Belém e não fará nada para travar o que aí vem. Por favor não o incomodem.

Estes senhores foram eleitos pelas mesmas pessoas que voltarão a dar o poder a outro partido que já governou Portugal e que também não fez nada de bom.

Divirtam-se.

4 comentários:

  1. Posso assinar por baixo???? É que foi precisamente isso que me passou pelo neurónio!
    Afinal não sou eu a parva quando penso EXACTAMENTE como o amigo "Piston"... AMÉN!!!
    (ou merda pra mim...!!!!)

    ResponderEliminar
  2. Somos e não é pouco!
    Eu até percebo o facto de se querer fazer mais uma manifestação, de mostrarmos (mais uma vez) a nossa indignação, mas tal como tu, quando vi o manifesto pensei "ca raio da nome mais estúpido" e "tachos e colheres de pau" WTF?!
    Eu não vou, vou estar a trabalhar mas cheira-me que nesta vai haver violência e não será pouca, o pessoal até já vai "armado"!
    Enfim, no domingo logo se vê...

    mariavaicomasoutrasemaisalgumas.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Não percebo muito bem este post, Piston.
    O nome da manifestação foi infeliz, e sim, a mim dana-me que lá continue o Relvas, e concordo que é mais grave essa condescendência do que mais planos de austeridade, mas que se pode fazer para ouvirem as pessoas senão fazendo barulho?
    A não ser que o povo vá em peso à Assembleia assistir e opinar (o que era impossível de se concretizar), não vejo qual o mal de se manifestarem, mesmo que o mote do manifesto não seja o mais correcto. Há um ano e pouco atrás quando quisémos correr com o Sócrates, queríamos que o FMI entrasse em Portugal. Ou sabíamos que era inevitável. Eu não me esqueci disso enquanto desfilava na av. da República, mas também sei que o nosso dinheiro terá de ser gerido de uma forma mais transparente. Não posso deixar que façam o que bem entendam. Estou disposta a pagar, compreendo o sacrifício, mas há limites.
    E tirando a parte da Assembleia, no geral foi tudo muito pacífico.
    Não me leves a mal, mas não compreendi mesmo o teu ponto de vista. Que alternativas mais poderão exercer pressão?

    ResponderEliminar
  4. Fui à manifestação.
    Mantive-me em silêncio, sem festa.
    Acho que foi um sinal importante e brevemente saberemos conheceremos as consequências.

    Nas próximas eleições o PS ganhará e tudo ficará na mesma. Em última análise continua a ser o povo o derradeiro culpado.

    ResponderEliminar