2011-10-02

18 gramas

Preocupado com a velocidade a que me aproximo de me tornar num mendigo ou outra qualquer forma de individuo socialmente isolado, confessava a uma amiga que começava a acreditar que a minha falta de empatia familiar não se deveria apenas ao meu feitio intragável mas também a um real desequilíbrio mental, algo de físico-químico que me deveria acompanhar desde a mais tenra idade. Comentava também que nem me atrevia a expressar este tipo de desabafo no blog porque, depois de eventos recentes em que serial killers escreveram muita coisa na net, as quais não foram levadas a sério, este tipo de revelação poderia dar um novo significado a alguns textos que debitei ao longo dos anos.
Sempre pronta a dar-me apoio e portadora de uma grande capacidade de apaziguação emocional interrompe-me e com a maior calma do mundo diz-me, como quem dissipa inseguranças tolas:

- Precisas de terapia.

19 comentários:

  1. Resposta errada. Agora vamos tentar com uma pessoa sem doenças tropicais.

    ResponderEliminar
  2. Mas 18 gramas de coca resolviam sem dúvida o problema. medo!

    Pega numa folha de papel e escreve.

    ResponderEliminar
  3. Um bocadinho de paludismo nunca fez mal a ninguém.

    ResponderEliminar
  4. Respostas erradas. O título é muito mais nobre que isso.

    ResponderEliminar
  5. (Após aturado estudo):

    18 gramas é o peso da ração mínima de pão para sobrevivência em situações extremas - por exemplo, de combate: « À noite distribuí-lhes dezoito gramas de pão e quinze centilitros de água para jantar.» - in "Revolta na Bounty", Sir John Barrow, tradução de Fernanda Pinto Rodrigues, Publicações Europa-América, 1972

    (uhh, detonei!)

    ResponderEliminar
  6. Quando li o título lembrei-me logo do filme 21 gramas mas achei demasiado óbvio.

    Depois lembrei-me de outro filme chamado 18 grams of love e pensei, pode ser. será? não!

    Cheguei ao ponto de ir ao google ver quanto pesa uma lágrima (devo ter comido alguma coisa estragada). Obviamente não vi nada que me ajudasse.

    Tentei 18 gramas, só me apareciam alianças de casamento (?!?). Clara colisão com o texto.

    Enfim, pôr as pessoas a pensar ao domingo? acho mal.

    ResponderEliminar
  7. O DDAH não diagnosticado e muito menos alvo de terapêutica pode explicar o isolamento/marginalização e a agressividade.
    E, curiosamente, também pode ser tratado, entre outros, com Concerta 18 (também há as dosagens 9 e 36, mas, eventualmente, no meio estará a virtude).
    De repente, até podes parecer mais humano e arruinar a hipótese de um obituário cheio de fel. Cuidado!

    ResponderEliminar
  8. Gostei da diversidade de hipóteses mas, de facto, a Papoila acertou.

    ResponderEliminar
  9. A tua amiga tem razão.

    Não digo isto com escárnio, pelo contrário. Para melhorares, fazeres as pazes que tens de fazer e até adoptares um cão.

    **

    ResponderEliminar
  10. De qualquer forma, fico feliz ao equacionares a existência da alma.

    Não tarda nada, terás programa para o Domingo de manhã.

    ResponderEliminar
  11. Compreendes a ironia que é admitir a existência de uma alma e atribuir-lhe um peso, certo?

    ResponderEliminar
  12. Qual ironia? Lá por não ser palpável não quer dizer que não pese. Boa? Ai essa escola...

    ResponderEliminar