2011-06-26

Judite? Alberto? Que merda é esta?

(Antes de dar mais uma esfrega nos jornalistas devo expressar que me estou simplesmente a lixar se o Angélico patina ou não. A minha opinião sobre ele é nula com tendência desfavorável e, estando longe de lhe desejar a morte, acredito que haja muita gente merecedora dos seus órgãos para continuar a sua vidinha.)

Judite e Alberto, a TVI até que está a começar a ter um jornalismo mais aceitável mas há que meter mais uns travões naquele comboio desgovernado.
Então vocês mandam um jornalista para o hospital onde está o rapaz para fazerem emissões em directo e depois apresentam uma peça onde usam de forma macabra o acidente do moço como forma muito sub-reptícia de promover a festa "Morangos com Açúcar", que decorreu durante o dia de ontem?

E o que é que se passa com o discernimento dos actores da TVI?
Não há nada como um pouco de dor para incutir pedagogia nestes petizes.

13 comentários:

  1. Mau post, Piston.

    Também há muita gente merecedora dos teus órgãos. Dos meus também.

    Comparar Dino e Angélico?

    Repito, mau post.

    ResponderEliminar
  2. Comparação de discernimento e não de consequências.

    A diferença é que no teu e no meu caso eu posso fazer uma avaliação um pouco mais informada. No caso dele a informação é nula. Apenas sei que não teve a inteligência e boa prática de usar o cinto que lhe poderia ter poupado muito sofrimento.

    ResponderEliminar
  3. Olha, raramente tenho essa inteligência. Esqueço-me sempre.

    ResponderEliminar
  4. Eu assumo isso como sendo falta de hábitos de condução.
    Eu nunca me esqueço. E nunca é mesmo nunca. Está para vir a primeira vez.

    ResponderEliminar
  5. Também pode ter sido a primeira vez dele, é certo. Como disse, opinião nula.

    ResponderEliminar
  6. Não. Mesmo como passageira. Ainda ontem o fiz. Dei conta a meio do caminho.

    A questão é que existem casos bem mais exemplares para pegar.

    Este não será certamente.

    ResponderEliminar
  7. A questão é mais esta:
    Porque é que não deixam a Sónia Brazão e o Angélico em paz?

    ResponderEliminar
  8. Concordo mas não é o que se entende do post.

    Beijinhos vou dormir!

    ResponderEliminar
  9. Ó pronto, li outra vez e mudei de opinião.

    Esquece.

    Maus jornalistas, maus jornalistas!


    :-D

    ResponderEliminar
  10. De notar que todos esses desafortunados são personagens da TVI. Aquilo afecta mesmo as pessoas.

    ResponderEliminar
  11. O cinto é para se usar sempre. Atrás também. Lembrem-se. Ou não.

    Há treze anos que tenho carta e tenho sido muito gozado, chamado de choninhas ou embirrante por não querer andar com ninguém sem cinto no meu carro. Até nos taxis uso cinto e os motoristas até estranham. Manias. Mas a vida é assim, quem sabe um dia não me passa um camião por cima e o cinto não vale de nada :) e talvez o Angélico se tenha distraído e pela primeira vez não o tenha usado, o que duvido.

    O Angélico não podia ter um estilo mais diferente dos meus gostos mas por aquilo que fui vendo e lendo ao longo dos anos parecia um bom homem. Sei lá se era assim e nem me interessa muito, o que interessa é se perderam vidas e que isto trouxe e ainda trará sofrimento a muita gente.

    Que sirva de exemplo pelo menos.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo, o meu pai é assim. Nunca deixou ninguém andar com ele sem cinto.

    Ainda assim, esqueço-me! Como passageira, nunca como condutora. É ridículo mas acontece a toda a hora.

    Também muito raramente ando de carro. Já lá vão cinco amigos perdidos na estrada, todos em acidentes separados e diferentes. Gosto de conduzir mas abomino andar na estrada.

    O Angélico, goste-se ou não do estilo pessoal e percurso profissional, não merecia estes dedos apontados. Não só pelos outros tantos casos mais graves e gritantes como também pelo facto de nenhum de nós saber o que se passou, se foi esquecimento, etc.

    Só somos moralistas a apontar o dedo mas não a aplicar a moralidade às nossas acções. Todos criticam os outros condutores mas acham-se os maiores.

    Para além do mais, era uma excelente pessoa, sim.

    ResponderEliminar