2011-02-23

Violência policial? Eu gosto!

Estão a multiplicar-se os casos de alegada violência policial. Sinto que tenho algumas fezes para arremessar acerca deste tema.

Convivi durante alguns anos com a polícia de forma muito próxima e posso dizer-vos que me safaram o pêlo várias vezes. Posso também dizer-vos que recebem miseravelmente e têm condições de trabalho bastante más.
A violência policial existe, obviamente, e testemunhei-a algumas vezes. Asseguro-vos que não apreciei mas,  ainda assim, tenho a tendência a não tomar o partido dos anjos que são recorrentemente oprimidos, pobrezinhos.

Os últimos casos que vi na televisão levam-me a ter zero empatia pelas alegadas vítimas:

Dirigente sindical acusado de desobediência
Manifestantes protestaram em frente à Assembleia da República. Terminados os protestos decidem que só querem sair dali (porque é o caminho mais curto) por onde a PSP diz que não podem passar. Imagine-se que não queriam aquela gente tão pacifica em frente à residência oficial do pano-de-lavar-chão-Sócrates. Parece-me uma justificação razoável.
Os manifestantes decidem confundir estado de direito com anarquia. Forçam um confronto com a PSP porque estão com as costas quentes: comunicação social a registar os acontecimentos. O sindicalista inofensivo rompe a barreira policial e, como é óbvio, é totalmente inocente. Qual desobediência qual quê! Os policias são uns fascistas isso é que é!

PSP espanca um moço na margem sul
Admitamos que realmente a PSP decidiu que estava uma linda noite para partir a cara a um puto, escolhido aleatoriamente, e que a melhor forma para o fazer seria com muitas testemunhas a assistir. A este vil ataque estes santos decidem responder com churrascos automobilísticos. Vocês batem no meu amigo nós queimamos propriedade alheia. Parece-me lógico e valida a inocência destes cidadãos modelo.

Acho que toda a gente sabe o que são as claques e para que servem. São grupos organizados de gente que quer atar os atacadores mas que não tem o QI suficiente. Se juntarmos o cérebro de 6 deles é quase certo que os conseguimos ensinar a utilizar ferramentas básicas para partir nozes.
Na minha conservadora opinião qualquer elemento que pertença a uma das claques dos três grandes deveria acordar com violentas pancadas dadas com um tubo de canalização. Teriam direito a uma pausa para almoçar mas, durante o resto do dia, deveriam ser espancados sem descanso.
Vi os acontecimentos do último jogo como um bónus para o espectáculo. As pessoas só pagaram pelo jogo e ainda tiveram direito a ver uma claque a mamar forte e feio. Sortudos.

11 comentários:

  1. De todo:

    1. "Deste lado", o das coisas apresentadas de forma "normal", a indicação "o outro lado" devia manter-se também ela normal. Porque? Porque cria curiosidade (não é bem este o termo, mas adiante): Qualquer coisa tipo, "Afinal o que é o outro lado?" e não dando logo indicação do é. Isto é: Não estraga a surpresa.

    2. Do lado em espenho, "agora" que já o conhecemos, faz sentido que "o outro lado" esteja também em espelho.

    Em suma, deve que existir alinhamento entre a forma de apresentação dos lados e a página em que nos encontramos que por sua vez, tem um efeito psicológico de comprometimento mais profundo.

    lol. consultês.

    ResponderEliminar
  2. Um de nós comeu alguma coisa estragada.
    Não sei se é a mensagem que não é clara ou se fui eu que andei a tirar coisas do caixote do lixo.

    ResponderEliminar
  3. Não estou a ouvir bem, vai para um sitio com rede sff.

    ResponderEliminar