2010-09-13

Trivialidades meteorológicas

Espanta-me que depois de tanto se escrever sobre o tempo, o elevado calor, o frio extremo, meses de chuva sem descanso, ninguém tenha dado a devida atenção à mutação dos detritos nasais.

O que mais me incomodou neste verão de calor elevado e muito seco foi, sem dúvida alguma, o endurecimento da matéria que se deposita com regularidade no nariz. A falta de humidade transforma aquilo em algo com dureza equiparável à de um rubi.

Surpreenda o seu companheiro de elevador. Não lhe fale do tempo que faz hoje, pergunte-lhe antes qual a consistência dos seus burriés com uma humidade relativa de 3% ou tente não escorregar neles quando se registarem 95%.

7 comentários:

  1. Eu gostava que alguém falasse na humidade axilar... mas está difícil.

    ResponderEliminar
  2. Vivo em Madrid...estou habituada à falta de humidade e consequentemente, às durezas nasais. As quais, frequentemente, se transformam em feridas e sangue a escorrer.

    ResponderEliminar
  3. Eu cá prefiro. Mil vezes. São mais facilmente enroláveis e ideais para a treinar a pontaria.

    ResponderEliminar
  4. Magoo o teu corazón?
    Oh piston, não sejas maricas, pah!

    ResponderEliminar
  5. Helena, que estais fazendo no terreiro do playboy?

    ResponderEliminar
  6. Anouc, essa fica para ti.

    Juanna, cenário encantador.

    Sissi, eh macho!

    ResponderEliminar
  7. Ora, é giro. Diz lá se não gostavas de cá vir passar uns dias a ver se te acontecia o mesmo?

    ResponderEliminar