2010-08-21

Lucidez emocional no macho

Imaginem uma bacia sem ralo para onde uma torneira está constantemente a pingar. A torneira nunca pode ser fechada nem afastada da bacia.
Ainda que usando um púcaro para retirar toda a água, será impossível chegar ao estado "vazio". A bacia vai estar constantemente a encher.

No filme "Doidos por Mary" há uma cena em que se discute a importância de andar com a "arma descarregada", ou seja, testículos vazios.

É impressionante como a mesma pessoa pode passar de extremamente interessante a completamente intolerável tudo por causa do esvaziamento da bacia.

Assumindo que o homem está no controlo das suas reduzidas capacidades mentais apenas durante fracções de segundos recomenda-se: Se fornicar, não se emocione. Evite fazer promessas se a barragem estiver no limite máximo.

(Quanto tempo irá demorar a chegada do primeiro comentário de quem não percebeu e vai encontrar um significado machista no que escrevi?)

38 comentários:

  1. Não importa como. É certinho que alguém o vai ler assim.

    ResponderEliminar
  2. Faço-o abundantemente. Era só um pré-insulto destinado a quem viesse com essa ideia já armada.

    ResponderEliminar
  3. Eu também. Mas isso é da obstipação crónica.
    PS. este blog crasha-me o computador.

    ResponderEliminar
  4. A gerência lamenta.
    Daqui não vem nada de bom.

    ResponderEliminar
  5. Não é bem o mesmo.
    Vai por aqui um tédio...

    ResponderEliminar
  6. Então vá. Desfrute da cidade que eu vou desfrutar da almofada.

    ResponderEliminar
  7. Deixe-se de coisas e vá aproveitar a cidade.

    ResponderEliminar
  8. Estão 74 graus na rua. Não se aguenta a puta da canícula.

    ResponderEliminar
  9. Desculpem interromper a conversa. Estou tão incomodada por o teu feito que já nem me lembro do que ia comentar.

    ResponderEliminar
  10. Não percebo. A Fátinha não é para aqui chamada.
    Isto hoje está muito confuso.

    ResponderEliminar
  11. «Aguenta e não chora».
    Parece-me que a canícula também coisinha que afecta por aí.

    ResponderEliminar
  12. Evitar ludibriar e fazer falsas promessas.

    ResponderEliminar
  13. Sissi, muitos anos de Taveira podem causar danos cerebrais.

    S*, o problema é que nem sempre há a capacidade de perceber que, afinal, o que se está a prometer é impossível de cumprir com a pessoa em questão.
    Eu evito promessas mas, no processo, é o mesmo que usar um anzol sem isco.

    ResponderEliminar
  14. Caro Piston,
    perdi-me. É fodido pensar de directa com 75 graus na rua. Tendo-me desculpado ranhosa e preguicosamente, pergunto: dá para elaborar com exemplo? Se o homem não se deve emocionar com a bacia cheia, então faz o quê? Qual é oposto? E o processo é o quê? Prometer amor para queca regular?
    Só para eu perceber do que estamos a falar que agora, assim de repente, não estou a ver. E até me parecer um «processo» não exclusivamente masculino, daí não entender como isto pode(ria) ser machismo.

    ResponderEliminar
  15. É muito simples de perceber e não creio que funcione de forma semelhante nas mulheres:

    Imagina que estás a morrer de sede. Podes beber água da torneira e resolver o teu problema no conforto do lar mas, o que queres mesmo é água engarrafada. Falas com a garrafa, dás a perceber que tens sede, dizes que queres mesmo beber daquela água mas, entretanto, bebes da torneira e parece que a visão se torna apurada. Apercebes-te que afinal a garrafa não faz bem o teu estilo e que na volta a água até é capaz de ser muito calcária, uma merda.

    No simples virar de um copo a tua opinião deu uma volta de 180° graus mas o inevitável aconteceu: com o calor a garrafa derreteu e passou a pastilha elástica.

    ResponderEliminar
  16. A chave está no «dar mesmo a entender que queres beber daquela água». Isso faz-se como? É que se é só a água que se quer beber, tanto faz se o moodo é um e depois é outro. Afinal de contas, é só água. Mas e a coisa é colocada de forma diferente, por exemplo, desenhada de uma maneira que intua mais qualquer outro aperitivo, aí já me parece diferente. A minha questão é: sabendo à priori que isto acontece, há como evitá-lo?

    E continuo a achar que o processo é similar nas mulheres. Qtas vezes, em sessões de onanismo, ou pré-onanistas, me imagino a varar este mundo e o outro. Vai-se a ver, bebe-se tudo até à ultima gota, e a vontade esvai-se como fonte seca. Igual, portanto.

    ResponderEliminar
  17. Estou convencido que o seu caso é um caso isolado (ou porque diz o que pensa ou porque afinal passa-se a mesma coisa com as mulheres).

    ResponderEliminar
  18. Caso isolado? Olhe que não. É uma questão de se dar com as mulheres certas.
    eh eh.

    ResponderEliminar
  19. Sejam certas ou erradas, estou convencido de que a maioria não é assim, contudo, sou só uma criança.

    ResponderEliminar
  20. Vim aqui ver como estavam as coisas e reli o meu comentário. Não sei porque escrevi aquilo. :| Não faz sentido nenhum. Será que quis dizer "feitio" em vez de "feito"?. Não me lembro...

    Temo que nunca saberei. Tenho mesmo de largar o tinto.

    ResponderEliminar