2009-05-01

Definição de Aflição

O meu cão apresentou-se hoje de manhã com comportamentos estranhos:
  • Andava curvado
  • Apareceu em locais que não costuma frequentar
  • Tentou passar por um local estreito e que não é compatível com o seu tamanho
  • Transpareceu uma expressão de pânico
Nessa altura davam-se valentes rebentamentos de foguetes por causa das comemorações do 1º de Maio. Pensei que o gajo estava apenas numa sessão da mariquice e que só queria a minha companhia.
Chega ao pé de mim mas pouco me liga. Dá várias voltas ao carro, como se estivesse automatizado.
Poucos segundos depois, sem pré-aviso, caga-se abundantemente.

Análise dos factos:
O animal é tímido e gosta de fazer as suas necessidades sólidas em total privacidade. Ele não se borrou de medo, andava era à procura de um sitio onde pudesse fazê-lo sem ouvir os foguetes, entidade que ele desconhece e que seria um potencial e incomodo observador.
Falhou nas suas pretensões, o pavio chegou ao fim e a bomba rebentou.

Isto é uma bonita metáfora para o dia de hoje.
O 1º de Maio é isto: muita gente a rasca para cagar em qualquer coisa que apareça à frente.

4 comentários:

  1. LEvavas o cão para o meio das manifs da UGT e CGTP

    ResponderEliminar
  2. O meu cão, sempre que podia, ia esfregar-se na merda dos outros. Para mim ele era uma espécie de comando dos cães, e aquilo uma camuflagem. Mas depois ele morreu e eu percebi que aquilo não lhe trouxe nenhuma vantagem competitiva.

    Enfim, pegando na tua metáfora, também há alguns que ficam contentes com a merda dos outros.

    ResponderEliminar
  3. Arnaldo, cagava-se literalmente de medo e depois fugia.

    Pedro, o teu cão é um javardão.

    Intruso, é embaraçoso perceber que o nosso cão é um autêntico maricas.

    ResponderEliminar