2009-02-03

Síndrome pré-menstrual no homem

Eu prometi, está na hora de começar a cumprir.

Para que possam conhecer e perceber melhor os vossos namorados, há que dizer que possuímos o equivalente à síndrome pré-mestrual.
Nós também temos algumas ocasiões na vida em que o nosso humor transforma-se rapidamente, em que reagimos da forma menos desejável e em que deve ser evitada toda e qualquer interacção.
Chamemos-lhe síndrome pós-ejaculação.

Não, o homem não é um ser insensível que após fazer amor/vazar os testículos deixa de ligar à sua companheira. Isso é falso. O que acontece é que há diversas alterações químicas que se processam no cérebro do homem, após a ejaculação, e que aliadas ao facto de ele andar com a rapariga x só por sexo, resultam numa total falta de demonstração de afecto.

Há também algumas situações em que, tal como na mulher, não há qualquer justificação biológica, em que tudo não passa de um pretexto para podermos fazer gato-sapato do nosso mais que tudo.

Espero ter contribuído para vossa compreensão do macho.
No dia 14, não esquecer: a melhor prenda que se pode dar ao namorado, é um carinho (com o esófago).

8 comentários:

  1. O que é que isso tem a ver com SPM?

    Não venhas com coisas. O facto de barafustarem com toda a gente enquanto conduzem é só mesmo estupidez masculina.

    ResponderEliminar
  2. O síndrome pós-ejaculação faz com que vocês adormeçam, pá!

    ResponderEliminar
  3. Que rica forma de apelar ao felácio no dia de S.Valentim!!!! ahahahahah

    ResponderEliminar
  4. quanto foi o sportem esta semana???
    tá em k lugar?????????

    inxa javardo de merda

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  6. "podia-me esfregar com ela, mas respeitava-a como mulher e como pessoa!"

    Ao pé deste, quem é Nicolas Sparks?

    ResponderEliminar
  7. Alexandra, não o faço.

    PKB, só em algumas situações.

    Marta, apelos nunca são demais. O vosso loby está a ficar poderoso demais. Tenho que tentar equilibrar as coisas.

    Anónimo, tu és a prova de que boa parte dos emigrantes são bons porque estão longe de nós.

    Pita-que-não-aprende, no soup for you! Come back, two days!

    Alexandra, eu esfrego um tacho e respeito-o enquanto utensílio de cozinha.

    ResponderEliminar