2008-08-12

- Olha, os meus miolos estão a vo...

Os policias, que geralmente são uns filho-da-puta porque têm a mania irritante de nos multar quando andamos a 120 km dentro de uma localidade e também por exigirem que se cumpra a lei, deixaram subitamente de o ser só porque mataram um brasileiro.

Acho que a maior parte dos portugueses que estão histéricos com a nossa "swat" estavam-se pouco lixando para os reféns. O que retêm disto é um pretexto para exercerem xenofobia em fóruns televisivos e radiofónicos sem sentirem que estão a ser julgados.

Sim, a policia portuguesa matou um brasileiro, não o neutralizou. Acho que o ph do gajo ficou na mesma.
Para mim, espetar com uma bala na corneta de uma pessoa não é nem nunca vai ser "neutralizar". Compreendo perfeitamente que um cadáver não entra em discussões, a opinião dele é neutra. Ainda assim, mataram-no.

Desenganem-se os que acham que quero com isto dizer que são assassinos. Mataram o gajo e mataram bem, não por ser brasileiro mas porque tinha que ser feito. Ele pôs-se a jeito, ameaçou a vida de inocentes e legitimou a bala que comeu. Para mais, um gajo que se expõe daquela maneira na rua, é burro e não anda a fazer muito por cá.

Mas estou cá para teorizar acerca de outras coisas...
Lembram-se da frase "até os comuemos a todos"? A Unidade Especial de Policia, aparentemente, fez um bom trabalho. Tal como a nossa selecção nacional, após a primeira vitória: "temos a melhor policia do mundo!".

Sugiro que se usem estes agentes no mundial de futebol de 2010.
  • Têm o apoio ridículo dos portugueses ridículos
  • Não sabem jogar à bola mas têm armas...
Cheira-me que iam até às meias-finais.

Não tirando mérito a esta unidade, será que se amanhã acontecer algo semelhante, tudo irá correr tão bem como desta vez? É que se perdem um refém o 100% de sucesso leva logo uma ripada e fica a 50%.


Tugas histéricos, não têm uma esposa para violentar? É que assim sempre estão entretidos e não vos tenho que ouvir.

P.S. - Querida TVI,
Podes por favor transmitir em directo o funeral do falecido e entrevistar os senhores do P.N.R.?
Já agora, vê se abres uns golpes fundos nos teus jornalistas, se os regas com gasolina e se lhes largas fogo. Estou farto deste festival de merdosos a procurar merda.

5 comentários:

  1. Bom jogo de ideias. Ambos partilhamos o ódio a mediocridade a euros e bailaricos que enchem o peito ao povo.
    Hum... sou eu a Maria, tou no blog do meu arqui-inimigo Pistonecas e estou a ser positiva sem rolarem cabeças.
    Piston quando sais do armário?

    ResponderEliminar
  2. Eu ainda tenho esperança de ver um documentário sobre a infância do tipo...

    ResponderEliminar
  3. «Tugas histéricos, não têm uma esposa para violentar?»
    Mas que frase, homem!

    ResponderEliminar
  4. Hoje não vou brincar, querido piston, hum,hum,hum, que o assunto é sério.
    Racionalmente sou contra a morte infligida a alguém, há outros métodos para se castigar mas,"estes" dois, estavam mesmo a pedi-las. Ninguém fala no horror que os reféns devem ter passado, com que traumas ficaram para o resto das suas vidas.
    Estou convicta que a polícia fez o que pode, para evitar esta morte e que as "vítimas" tiveram muito tempo para se entregarem a bem.
    Talvez se a opinião pública, não tornar os assaltantes mártires, isto sirva de exemplo para que, no nosso país de brandos costumes, pelo menos, este tipo de assalto não torne a acontecer.

    ResponderEliminar
  5. Maria Strüder, logo mais à tardinha.

    Rafeiro, agarra-te a isso!

    Jaime, medidas extremas para situações extremas.

    Maria, querido? Nem em pequeno era querido...
    Ninguém fala do horror pelo qual os reféns tiveram que passar, é verdade.
    Se o fizessem, entrevistando-os para esse efeito, era garantido que ficava a ver com um pacote de pipocas, só para curtir o momento.

    ResponderEliminar