2008-08-22

Afinal já somos os maiores outra vez!

Viva à parolada que é este país.

Ainda que tendo concordado sem qualquer hipocrisia com o que se escreveu por aqui, ao perceber que as pessoas que começaram a "apedrejar" a comitiva portuguesa nos jogos olímpicos são as mesmas que do nada, se tornaram especialistas em triatlo, tive que repensar a minha opinião. Cá vai:

Aqueles que já tiveram uma pequena experiência competitiva, vamos lá, fazer uma corrida com um amigo, sabe perfeitamente que nunca sabe bem perder.
Aqueles que já tiveram um pequena experiência competitiva que envolva algum público, ainda que sem grandes perspectivas de arrancar excelentes resultados, sabem que as palavras "pressão" e "nervosismo" são algo que envolve qualquer desportista.
Aqueles que já foram apanhados a cagar no meio da mata (ou até mesmo na mesa da cozinha) terão uma pequena ideia do constrangimento que é estar em frente a milhares de pessoas.

Alguma dessas vozes críticas sente, no mais profundo do seu ser, que seria capaz de continuar a cagar enquanto outra pessoa assiste ao seu desempenho?
Alguma dessas vozes críticas investiu anos de vida numa simples cagada? Se sim, lamento informa-vos que padecem de Alzheimer e que na verdade isso foi papado há poucas horas.

Tirando raras excepções, não acredito que qualquer um dos que produziram algumas das declarações mais parolas de todo o sempre, tenham provado a derrota de animo leve.

Agora que a comunicação mais otária de todó mundo vai reentrar em histeria, perguntam vocês:
- Piston, meu ser de genitais mutantes, não há ninguém no meio desta história toda que mereça ser perfurado na cabeça com um berbequim até ficar com a expressividade de uma boneca insuflável?
Claro que sim. O manda-chuva da comitiva!
Um líder que anda ao sabor da comunicação social, um lider que ao contrário dos atletas tem a oportunidade de fazer declarações a frio, ponderadas e apaziguadoras, um líder que decide alinhar cobardemente num ataque a quem já está moribundo, merece ser alvo de uma pequenita carnificina.
O senhor Vicente Moura, aparentemente, já não se vai demitir do seu cargo. Aquele que não defendeu os seus atletas quer agora manter-se à frente do destino dos mesmos.

É certamente um orgulho e um privilégio representar a nação, mas o que é afinal a nação? Um território? Não é a nação um conjunto de valores gerados por quem nela vive? É que se é isso, prefiro não ter país.

Para terminar gostaria de deixar aqui algumas palavras soltas para que façam uma livre associação de ideias:
  • Desporto
  • Grunhos
  • Glória
  • Nação
  • Nelson Évora
  • Francis Obikwelu
  • Deco (o jogador, como é óbvio)
  • Assalto ao BES

20 comentários:

  1. Peguei a ébola ao Piston. Que horror!
    Será que vou ser acusada de algum crime?

    ResponderEliminar
  2. Por acaso apanhaste-me em boa para comentar isto, pois de manhã eu só estou bem é na caminha... =P

    ResponderEliminar
  3. Maria, você anda mesmo a padecer de doença psicológica grave!

    Ana, também eu gostava.

    ResponderEliminar
  4. Tentei fazer a tal associação de ideias mas só me saem coisas bonitas e fofinhas.

    ResponderEliminar
  5. Mas isso é porque você sofre muito da cabeça.

    ResponderEliminar
  6. Estas a gozar? Um comentário de Agosto e respondes em Dezembro?

    MEDO!

    ResponderEliminar
  7. Ainda agora respondi a um de 2007. Vai lá ver!

    ResponderEliminar
  8. Ahahaha! Perpetuar escritos antigos.

    Pena não ser em papiro. ;)

    ResponderEliminar
  9. :)

    Ou isso ou vontade de recuar anos atrás. Que tal um Delorean?

    ResponderEliminar
  10. Quererás dizer que de momento não valho um caracol?

    ResponderEliminar
  11. Podemos passar esta conversa para o presente? Esqueceste-te de limpar as teias de aranha ali nos cantos do título. :)

    ResponderEliminar