2008-06-04

Biscate

Quando descobri que ia abrir o primeiro banco de esperma em Portugal pensei de imediato que aquele era o biscate perfeito. Seria um biscate tão bom que rapidamente dispensaria qualquer outra actividade profissional.

Vós sabeis que se paga cerca de 30€ por "donativo"? "Donativo"? Isto de oferta não tem nada. Isto é um negócio e dos bons! Já me estava a imaginar a ir todos os dias à clínica, com uma vasilha em cada mão, levantar um salário digno de um jogador de futebol. Ai que bom que era...

O que é que falha no meio desta oportunidade de subir na vida sem esforço (ou com um esforço mínimo)?

Eu lá podia dormir descansadinho sabendo que havia a hipótese de estar a crescer num qualquer útero um ser com parte do meu ADN, qual besta do apocalipse?

Pior que isso: arriscava-me a ficar com a responsabilidade e a perder todo o divertimento que antecede a mesma.
Não se faz a ninguém!

Quereis esperma? Quereis? Então fazei como estavam a fazer três meninas no estacionamento da praia de Carcavelos, em carros diferentes e com cavalheiros também distintos.
Só sei que os senhores estavam muito tensos a olhar o vazio e das companheiras só se via a nuca...

4 comentários:

  1. Ainda me lembro de uma prima minha, jovem campestre, que em criança passando de carro em Monsanto com os pais a caminho de um jantar familiar, se surpreendeu com a quantidade de senhores "sozinhos" que se viam sentados nos carros...

    E não eram bombeiros caridosos, acrescente-se.

    ResponderEliminar
  2. Estavam apenas a reduzir o desemprego no nosso país.

    ResponderEliminar
  3. Essa da «besta do apocalipse» está linda. :-)

    ResponderEliminar