2006-11-05

Pão por Deus!

Ao ouvir a campainha peguei no machado que tinha pousado na mesa de cabeceira (na noite anterior vislumbrei a hipótese de me acordarem desta forma no único dia em que podia dormir até às tantas) e corri para a rua, sem qualquer outro preparativo, gritando de machado no ar. As crianças não se movem. As crianças olham para o meu baixo ventre. As crianças riem apontando. Eu apercebo-me que está frio e de que estou nu. Volto para a cama com o orgulho ferido e com o machado sem sangue algum.

2 comentários:

  1. Voltas para a cama? Volta mas é para a paragem do Júlio, que quem lá mora és mesmo tu!

    ResponderEliminar
  2. Ahhhhhhhhhhhhhhhahahahhaha, muito bom!
    E eu que achava que essas coisas do pao por Deus so se mantinham na minha terrinha, uma aldeia de coves e vaquinhas!


    Amava o pao por deus! Até que comecei a ficar um bocadinho crescida demais pa andar de porta em porta a receber doces!

    ResponderEliminar