2015-01-23

Eu sei umas coisas de relações públicas e diplomacia

Mesmo nas temporadas em que escrevo muito pouco ou nada, quase todas as semanas há uma ou outra pessoa que lika a página de Facebook desta coisa.

É com grande tristeza que, por uma análise visual, 90% das pessoas em questão são do mais rameiro que pode haver.

Eu, ao contrário da maioria dos produtores de conteúdos blogosféricos, nutro um profundo desprezo pelos meus seguidores, chega mesmo a ser nojo.

Esta página de Facebook era seguida por 319 pessoas que muito se assemelham a primatas.


Por ordem decrescente de humilhação

  1. Prostituição
  2. Masturbar animais
  3. Ser visto a falar com a Fanny
  4. Ser apanhado pelos pais a meio de uma sessão de masturbação
  5. Ser actor da TVI
Esta noite vi a Sandra Celas, moça pela qual nutria alguma estima, a expressar-se enquanto personagem de telenovela da TVI, acerca da Oriflame. Dizia que era a empresa mais não-sei-quê-xpto dos Açores, que faziam conferências, que era muito bom.
Isto é product placement anal e não-consensual.

Sandra, antes viver na rua.

2015-01-19

Casa dos Segredos - O guia essencial para pessoas com dentes e sem unhas de gel

Este que vos recebe de braços abertos esteve para entrar na Casa dos Segredos. Isto é completamente verdade.

Não entraria como concorrente, porque não só prezo* muito a minha privacidade como seria corrido em menos de um fósforo, por desobediência. Entraria por cerca de 3 dias apenas para participar em testes técnicos que a produção faz recriando as condições da forma mais fiável possível.
Neste cenário, que não se chegou a efectivar, estaria praticamente só com pessoas que conheço, amigos, o que era capaz de tornar a coisa interessante e bastante aceitável.
Expressada que está esta curiosidade, passo agora a apresentar o guia essencial para quem nunca seguiu  este maravilhoso programa (na verdade só interessa aos que vêem).

Lá fora - Sítio mencionado quando se está a prometer tareia ou a falar daquilo que é a vida não-vigiada.

A Voz - Entidade suprema, que é perfeita, que ordena que se executem actividades apropriadas a crianças de 5 anos, que se rege por um conjunto bem definido de leis às quais chamo "Ordenamento jurídico do acabei-de-inventar".

A Casa - Estúdio de televisão ao qual se atribui ridiculamente uma propriedade mística, uma aura.

Intriguista - Pessoa que é intriguista ou que é extremamente frontal, depende do momento e da opinião da pessoa.

Prestação na Casa - Existir.

Ter muito para dar à Casa - Esperança média de vida elevada.

Azeiteiro - Concorrente.

Trazer de coisas lá de fora - Coisa que é inaceitável que se faça. Todos os concorrentes devem fazer uma reinicialização existencial e comportarem-se como se tivessem dias de vida.

Missão - Tarefa ridícula e que pode ir contra os princípios do concorrente mas que será cumprirá pelo mesmo.

Namorado(a) - Pré-cornudo(a).

Jogar - Actividade que é repugnante que se faça mas que é objectivo do programa. Actividade que quando bem executada merece um elogio e até mesmo um insulto.

Teresa Guilherme - Pessoa procurada pela Interpol pelo rapto de todos os trocadilhos que há no mundo e por obrigá-los a participar em orgias.

Expulsão - Acto de expulsar ou de manter a pessoa na Casa.

Foder em público - Actividade à qual a Teresa Guilherme se refere utilizando para isso uma espécie de estrangeirismo que não existe.

Nomeação - Catalisador de zaragatas.

Victória - Estado que os derrotados dizem que atingiram só por terem entrado na Casa (quando na verdade entraram apenas por serem relativamente repugnantes).

Confessionário - Sítio onde não entra nem padre nem beata, só crianças.

Aviões - Objectos voadores identificados e portadores de mensagens da produção.

Doenças venéreas - Pré-requisito.

Putas - Pessoas com um nível de promiscuidade inferior à da maioria das concorrentes.

Apupos - Coisa que a Teresa Guilherme reprova sempre que isso vá contra as suas preferências.

Palmas - Coisa que a Teresa Guilherme reprova sempre que isso vá contra as suas preferências.

Presenças - Existir fora da casa a troco de dinheiro.

Mamilos - Parte do corpo onde os azeiteiros aplicam peças metálicas.

Desafio Final - Alcatraz com população mais violenta e menos civilizada.

Os Portugueses - Pessoas a quem os concorrentes e a produção se referem, de forma nobre, como os detentores da verdade, aqueles que decidem quem sai e quem fica (na verdade quem decide são só as donas de casa quando concordam com a produção).

* Comecei por escrever "preso". Eu, habitante do barreiro, me confesso.

2015-01-13

“Unless the world learns the lessons these picture teach, night will fall, and by the grace of God we who live will learn.”

Quem me conhece há algum tempo sabe que tenho uma fonte inesgotável de irritação e que não gosto nada da poetização que é feita em torno de assuntos sérios e que devem ser vistos com emoção, inevitavelmente, mas também com serenidade e capacidade analítica.

Foram muitas as pessoas decidiram colocar uma sela nos cadáveres das vítimas e cavalgar em direcção ao pôr do Sol (como nos cavalos da Chicco) utilizando uma tragédia para se revestirem de grande nobreza.
Também foram muitos que não pensaram sequer no que é que está em jogo e decidiram que eram Charlie porque havia uma hashtag a passar que não podiam perder (o mesmo tipo de prostitutas que se pavonearam com o "Ice Bucket Challenge").

- Não temos medo!
- Não nos vergarão!
- Liberdade de expressão acima de tudo!

Eu diria que franceses e europeus em geral estavam e estão, com bastante razão, borradinhos de medo, mas há que ceder ao sentido poético da coisa, há que mostrar o que realmente não nos passa pela cabeça: que temos uma coragem que realmente não temos.
Várias publicações alinharam neste grande grito de revolta mas houve umas tantas, que não querendo ser heróicas e tendo amor à vida e aos que os rodeiam, decidiram deixar de pôr o dedo no olho de Maomé. Compreendo e não tenho nada contra. Ser herói com a pele dos outros é fácil, enfrentar o calibre das consequências é que é difícil. Na verdade, ser verdadeiramente heróico é enfrentar as consequências tendo a certeza que elas chegarão e sabendo também o que são.

Liberdade de expressão acima de tudo? Mesmo que isso signifique gozar com Jesus, abortos, crianças trissómicas, pedofilia, violações e violência doméstica? Aposto que os muitos Charlies que por aí andam rapidamente abrem excepções à regra desde que isso lhes toque no nervo. Tivesse toda a gente liberdade de acção e não seriam poucos os autos-de-fé a serem postos em marcha.

Gente como o Rui Sinel de Cordes (provavelmente o maior motivador de queixas à ERC) dariam entrada directa num forno de cremação.
Até mesmo gente mais moderada e popular, como os Gato Fedorento, que receberam o maior número de tentativas de censura por parte de telespectadores quando fizeram um sketch acerca da Floribella, essa grande líder religiosa, não teriam um futuro risonho e de acordo com a liberdade de expressão que se apregoa.

Aposto que também há por aí muito taxista que é Charlie, abrindo excepções para o linchamento público direccionado a fufas ou paneleiros que achem que têm a liberdade de expressar publicamente a sua orientação sexual. A liberdade de expressão é uma coisa completamente ilimitada mas com alguns limites, que podem ser definidos pelos seguidores de Maomé ou pessoas com taxímetros no Mercedes.

A liberdade por si só (não a de expressão), muito elevada pelos políticos do momento, vai também certamente sofrer uma marrada que fará com que as gónadas de Edward Snowden fiquem a a latejar até ao final da sua existência.

Voltando à equitação cadavérica, gostaria também de mencionar esses grandes defensores das liberdades individuais e colectivas que são os membros da Frente Nacional e de outros grupos de extrema direita. Estes estimados seres gerados do mais fino extracto de poia, fizeram-nos o favor de vandalizar, ainda que ligeiramente, a mesquita da Praça de Espanha. Os muçulmanos em Lisboa são, como se sabe, altamente violentos e radicais. Necessitamos destes gordos de cabeça rapada para nos defender do nada.

 Foi nesta mesma semana, repleta de amor e tolerância, que fui apresentado a este maravilhoso trabalho a quem Alfred Hitchcock emprestou a voz. O impensável não pode voltar a acontecer, acontecerá.



Escrevo de forma anónima numa publicação electrónica decadente. Eu, certamente, não sou Charlie.

2015-01-09

Paris - resumo das últimas horas (segundo a comunicação social)

  1. Dois dos terroristas que mataram os cartonistas foram detidos e o outro foi abatido.
  2. Dois dos terroristas estão barricados com reféns numa empresa numa zona rural nos arredores de Paris.
  3. O terceiro terrorista, aquele que foi abatido, rendeu-se.
  4. O terceiro terrorista, aquele que se rendeu, fez hoje reféns num hipermercado de produtos judeus.
  5. O terrorista que abateu ontem uma polícia, foi detido.
  6. O terrorista que abateu ontem uma polícia, fez hoje reféns num hipermercado de produtos judeus.


Não temos medo, os terroristas não nos venceram, mas, no entanto, temos medo.
Por todo o mundo, a solidariedade mediática está em orgasmo ininterrupto.

Não podendo subscrever inteiramente esta peça, é 90% isto.

Adeus Edward Snowden

Estou convencido que dentro de momentos os terroristas em Paris vão exigir a libertação de camaradas de armas presos injustamente em todo o mundo, inclusive em Évora.

2015-01-08

Aritmética dos Mortos

Fujam jihadistas, fujam! No vosso encalço (quietinhos na cadeira) estão milhares de justiceiros da hashtag que vos encontrarão onde quer que se escondam, leve o tempo que demorar (ou até que a Kardashian mostre o interior do ânus)!

E agora vamos entrevistar a uma pessoa que não sofre de mediatite aguda:

Jornalista - Piston, o que é que acha do repugnante e horrendo atentado que ocorreu em Paris e que foi perpetrado por aqueles bárbaros islâmicos?
Piston - Acho profundamente lamentável e muito triste. É certo que aquela publicação ofende profundamente o Islão, mas nada justifica isto. Ainda se fosse contra a família Malhoa...
Jornalista - Não concorda que o melhor será construir um muro bem alto em torno do médio-oriente e depois encher aquilo de água até que se afoguem todos?
Piston - Não concorda que sendo isto lamentável também o são todos os bombardeamentos (pouco) cirúrgicos que matam milhares de civis inocentes nesses países?
Não concorda que, sendo errado, se largassem uma bomba na sua aldeia e matassem os seus familiares e amigos você seria capaz de se passar da cabeça e de pensar que talvez a única forma de defesa dos ataques em massa seria atacar de forma isolada, aleatória e matando (menos) inocentes do que o seu inimigo?
Não concorda que seria matematicamente justo que houvesse mais comoção cada vez que se fala em operações com Drones?
Jornalista - Não percebo onde quer chegar. Sou da CMTV.
Piston - Se não se importa vá ali para aquele cantinho beber este copo de Gin muriático e urine para aí o seu fígado.

 - O meu nome é Nicholas Brody e eu aprovo esta mensagem!

2014-12-31

Ejaculação precoce

Já oiço foguetes.
Se pelo menos fosse um acidente que conduzisse ao rebentamento concentrado e descontrolado de uma elevada carga pirotécnica...
A ser isso espero que haja crianças por perto. Adoro o efeito visual dos pequenotes a correr em chamas.

A passagem de ano é isto


2014-12-17

Sopas de diulente e bifes de amianto


 

Mas qual é que é a dieta desta gente? Fizeram uma casa na árvore e só depois perceberam que aquilo afinal era uma antena de telemóvel?
Não, não me preocupei em ler o artigo, trata-se do Correio da Manhã...

2014-12-12

Quando como milho...

... parece época de santos populares na aldeia que é a minha loiça sanitária.

2014-12-10

Tarde

No último ano e pouco tive a oportunidade de conviver com uma pessoa maravilhosa que me surgiu através deste blog.

Dona de uma beleza interior e exterior com a qual nunca me havia cruzado, viu a espécie de diamante em bruto que tinha em mãos (completamente verdade se excluirmos a parte do diamante) e aceitou-me.
Apesar de todas as limitações e bloqueios com que se cruzou dentro desta mente, que não é recomendável, concedeu-me muitos dias de grande felicidade, colesterol, hiperglicémia, maus tratos físicos variados (dos quais sempre fui vítima, sublinhe-se) e cumplicidade, muita cumplicidade.

Nos últimos 18 anos foi a única pessoa que me viu derramar uma lágrima e provavelmente a única pessoa que temeu morrer afogada num carro perfeitamente estacionado em terra. Foi também a única que mereceu tão inesperado dilúvio.

Para ela, que foi de uma generosidade extrema, que fez de mim uma pessoa muito melhor do que aquilo que alguma vez fui, que merece ser feliz em quantidades industriais e porque embirrava com o meu caminhar muito pouco linear, vai isto. Ironicamente ouvi esta edição imediatamente antes de começar a escrever este post.

E também vai isto.

A programação habitual segue dentro de momentos.

2014-12-08

O Lidl tem um sósia do Manuel Cavaco

Fui forçado por uma pessoa que muito estimo (recorreu a arma de fogo e cães esfomeados) a seguir esta edição da Casa dos Segredos.

Não prestava a devida atenção a este tipo de programa desde o Big Brother 2 mas já sabia que o casting havia evoluído bastante e que era devidamente orientado para que se encontrassem os mais reles habitantes do Barreiro e da Brandoa.

Fui surpreendido pela forma engenhosa como a produção conseguiu resolver aquele problema que era o facto dos concorrentes terem vontade própria do público ter (alegadamente) algo a dizer no que toca a votações: criaram um jogo sem regras.
Removeram com grande mestria o manto da desconfiança porque agora já não têm qualquer necessidade de manipular o que quer que seja porque só chega a votações quem eles quiserem.

Como se não bastasse uma deslealdade constante para com pessoas que estão à mercê dos caprichos de uma entidade superior que se chama "A Voz", através da qual momentos que deveriam ser privados entre concorrentes passam a ser difundidos publicamente, ainda temos que levar com um Badaró-Fernando-Mendes feminino que bebeu (bastante) licor de Paulo Portas e que simplesmente não sabe como parar com o chorrilho de trocadilhos.
E o que dizer da classe que é enunciar em horário nobre o número de dedos necessários para levar ao limite a cavidade vaginal de uma concorrente?

Se por um lado tudo isto me gera uma profunda irritação, por outro fico agradavelmente feliz com a forma engenhosa como conseguiram apreender gado que tem idade suficiente para fornicar no ecrã e em simultâneo ter como missões fazer caretas, bandeiras de piratas, recebendo prémios tão fantásticos como moedas de chocolate. Ai Casa Pia, Casa Pia...